Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2008

Quando o amor...



Quando o amor acenar,


siga-o ainda que por caminhos


ásperos e íngremes.


Debulha-o até deixá-lo nu.


Transforma-o,


livrando-o de sua palha.


Tritura-o, até torná-lo branco.


Amassa-o, até deixá-lo macio;


e, então, submete ao fogo


para que se transforme em pão


para alimentar o corpo e o coração!


(Khalil Gibran)
publicado por Claudia Leal às 07:48
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Emanuel Azevedo a 12 de Dezembro de 2008 às 23:06
Lido poema... Trabalho fotográfico muito bem executado. Os meus parabéns! Um forte abraço dos Açores.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Rancho das Flores

. Quando Te Vi (Till There ...

. Asas para voar

. Esperança

. Planeta Água

. Para as minhas filhas, Da...

. Só de Passagem

. De coração pra coração

. Minha Rua

. Quando é Amor

.arquivos

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. As sem-razões do amor

blogs SAPO

.subscrever feeds